quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Quantos anos deve uma criança ficar na 4a Classe?

Quero começar este episódio com esta pequena questão.
Quantos anos deve uma criança ficar na 4a Classe? Aproximadamente? Para facilitar... podes dar um intervalo de tempo... por exemplo de 1 a 3 anos?
A resposta correcta é... SÓ UM.

E vocês dizem, "Ah, Antoninho é uma criança porreira, devia ficar uns 3 anos na 4a classe"... Não... não é assim que funciona, toda gente deve só ficar 1 ano na 4a classe.


E como é que podemos garantir que o Antoninho só fique 1 ano na 4a classe?
Simples, é só ficar atento as notas que vai tendo e se forem baixas, exigir mais esforço e empenho da parte dele... simples.



E tu, quantos anos deves ficar com saldo "insatisfatório" (ou seja, o mais próximo de ZERO) na tua conta bancária? 1 ano? 5 anos?
Aqui não sei a resposta, porém, quero acreditar que toda gente irá dizer algo como "O mínimo de tempo possível"

Tal como o Antoninho, para garantir que o saldo da tua conta não seja insatisfatório, tens de controlar as tuas notas, ou seja, mensalmente ir analisando o teu progresso financeiro. 
Falo de: 
- Ver se as dívidas diminuíram
Faz levantamento de todas as tuas dívidas e coloca-as num papel, ou no excel, enfim não importa, e a medida que vais pagando, vais actualizando a tua base de dados, assim consegues ver o teu desempenho.

- Ver se a poupança aumentou
Todos os meses, convêm espreitar na tua conta de Poupança, e ver o saldo, óbvio que terá aumentado, isso porque tens o compromisso de todos os meses poupar, é não é? Claro que sim. 
E faz bem ao ego ver o fruto do teu esforço. 

- Ver se conseguiste diminuir gastos desnecessários e se estás a canalizar o teu dinheiro para aquilo que realmente gostas
Depois de passado mais um mês anotando as tuas despesas, conseguirás ver onde gastaste mais e onde gastaste menos.  Com esta informação poderás ir ao mês anterior e comparar para ver se houve evoluções

- Ver saber se estás mais perto ou não dos teus objectivos
Quero acreditar que tens uma lista de objectivos que queres atingir, e estes estão divididos em pequenos passos que irás seguir. É sempre bom, ir analisando o progresso, assim evitas que algum objectivo fique no esquecimento, e ao fazer esta análise, estarás a forçar-te a agir.

Não controlar o teu progresso e do nada um dia reclamares que as coisas não estão como deviam estar, eu chamo isso de ingenuidade. Não faz sentido. Eu também tive os meus momentos de ingenuidade, que me levaram ao mais próximo que já estive da falência, e o incrível é que eu não percebia o porquê. Tentava culpar o meu salário, os preços que estavam altos, as coisas que estavam cada vez mais caras, a economia que não estava boa... culpava tudo e todos, menos o responsável pelo fraco... péssimo... horrível desempenho das minhas finanças. 
Como fiz para encontrar o responsável? Muito simples, uma ida ao espelho, resolveu tudo. 

Se calhar é o que também devias fazer, se não estás satisfeito com o desempenho das tuas contas, se tens dívidas, não consegues poupar, não vês progresso nenhum na tua vida financeira, e até aquela luz no fundo do túnel está cada vez mais fraca... então vai ao espelho. Tem uma conversa séria com a pessoa que lá vais encontrar.(Eu disse conversar, não fazer um selfie)

Mais e mais começo a perceber, que o meu trabalho não é exactamente ensinar Finanças Pessoais, mas sim convencer as pessoas a irem para o espelho e decidirem mudar. 

Até ao próximo episódio...

Sem comentários:

Enviar um comentário