terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Unidade de Medição

Antes de começar quero fazer-te uma pergunta que ouvi num documentário acerca de finanças pessoais, que é, “Em caso de emergência, consegues num prazo de 30 dias reunir 2000 USD (+-64.000,00 Mt)”. Achei as respostas muito engraçadas, desde o “peço emprestado a minha família”, ao “Se raspar todos meus cartões de crédito acho que consigo”. E tu, consegues?


Todos os meses, depois de fazer o orçamento e distribuir todo o dinheiro nas suas respectivas contas, costumo ter uma reunião com o director da minha empresa, óbvio que a empresa sou eu, e o director também sou eu. Nessa reunião olhamos para os gráficos (sim, tenho gráficos, sou nerd, já assumi), e vemos como vai a empresa. Comparamos o crescimento do património em relação aos outros meses, e em caso de haver  uma disparidade, procuramos perceber o que foi que aconteceu ao certo e corrigir. 

(Meu gráfico de poupança)

Agindo assim, estou sempre a par da minha evolução, sei se nesse mês o património aumentou como era suposto ou não. Resumindo, sei exactamente onde estou, se estou no caminho certo e como irei me comportar para chegar onde quero.

Esta análise, recomendo a toda gente. Mesmo tu que estás a começar, para saber o que precisas fazer, tens que saber em que situação te encontras.
Não fazer algo para mudar porque não queremos tomar nenhuma decisão, conta como tomar uma decisão, a decisão do deixa andar. Tens que parar hoje e agora, e ver o que tens feito, senão no futuro, quando efectivamente parares para encarar a realidade, já será tarde demais, e terás uma situação mesmo muito delicada.









 (Com este gráfico consigo saber quanto tenho em todas contas. Se oscila para baixo, sei que é porque tive uma emergência ou fiz algum investimento)


E vamos lá ver uma coisa, vais trabalhar todos dias, dás o teu bem mais precioso que é o teu tempo, em troca de dinheiro, tens que saber se realmente estás a evoluir financeiramente ou não, tens que ter uma forma de medir o teu progresso. Este não se mede com número de carros, nem tamanho da casa, mas sim em termos de Património Líquido, ou seja, todos os teus bens menos as tuas obrigações, esse valor é que dita o que andaste a fazer nos últimos anos. Anda lá, não custa nada, e por mais que custasse, estamos a falar da tua vida, se não arranjas tempo para a pôr em ordem, não sei quem o fará por ti. Ah espera, sei sim... o acaso e o seu companheiro caos, estes dois são óptimos gestores, podes confiar o fruto de todo o trabalho nas mãos deles.

Para fazer esta análise não precisas tirar nenhuma licenciatura, nem ser um entendido em finanças, são simples contas de somar e subtrair, nada do outro mundo.
Soma todos os teus bens (casas, carros, motas, poupança, investimentos, etc), se não sabes o valor exacto faz por estimativa, mas nunca por excesso, mais vale fazer por defeito, o mesmo irás fazer com todas as tuas obrigações (dívidas, hipotecas, etc), porém nas obrigações se não sabes o valor exacto, então informa-te, o mais rápido possível. Depois é só fazer "Bens – Obrigações = Património Líquido".

Esta análise não tem de ser feita mensalmente, a que eu faço todos meses é puramente das contas bancárias, esta faço quando quero adquir um Bem ou contrair uma Obrigação, não há periodo mínimo para se fazer, é a vontade do freguês, mas tem de ser feita.

Se calhar és milionário e ainda não sabes...


Até ao próximo episódio...

Sem comentários:

Enviar um comentário