quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Poupar ou não poupar? Eis a questão...

Sempre tive uma mentalidade voltada para a poupança, por mais que não conseguisse poupar, sentia sempre a necessidade de ter algum guardado. Há pessoas que quando digo que tem de poupar, respondem-me da seguinte forma:

“Porquê poupar? E se eu morrer antes de ter tido o prazer de gastar o meu dinheiro?”

Também já ouvi“Mais vale gastar agora que sou jovem, quando for velho não terei energia?”

Há muita verdade nestas duas afirmações. Verdades tão fortes que fazem toda gente querer ir ao banco a correr, levantar todo dinheiro e gastar. Por isso que poupar dinheiro é visto como algo “difícil”, sim escrevi entre aspas porque não é difícil. É uma simples acção como qualquer outra, que quando praticada por um certo período de tempo, vira hábito, e depois de virar hábito, o mais difícil será convencer-te a não poupar. (Mais sobre poupança, Paga a ti primeiro!)
Vamos lá voltar às questões colocadas.


“Porquê poupar? E se eu morrer antes de ter tido o prazer de gastar o meu dinheiro?”

Realmente faz sentido, é muito chato, passar a vida toda a juntar dinheiro, para do nada morrer e não ter hipótese de o aproveitar. Porém, eu vejo isto da seguinte forma. Quando for mais velhinho, irei querer deixar de trabalhar, para tal, precisarei de ter algum dinheiro guardado para me sustentar. Sei que o papo hoje está meio mórbido, mas toda gente vai morrer e pronto... "deal with it"

Acho melhor correr o risco de não aproveitar o meu dinheiro, do que o de ficar velhinho, viver de favores, não passar os meus últimos anos nesta terra de forma digna. E se por acaso morrer antes da hora, irei deixar um presente para as pessoas que mais gosto, elas irão aproveitar, não será um desperdício, irei tentar compensar pela minha partida. 

Ao partir, quero estar descansado, sabendo que quem depende de mim não irá passar necessidade. Logo, faz todo o sentido poupar, para mim primeiro, e depois para os que estão a minha volta. Acho irresponsável aquele pessoal que “vai embora” e só deixa problemas.


“Mais vale gastar agora que sou jovem, quando for velho não terei energia?”

Claro que sim. Por isso que recomendo começar a poupar agressivamente ontem. Assim atingimos mais rápido as nossas metas financeiras e nos tornamos financeiramente independentes, podendo assim, ainda com energia, gozar a vida.

Incentivo o uso racional do vosso dinheiro, de forma a gerar mais riqueza, para poderem parar de trabalhar o mais cedo possível e aproveitarem a vida. Uma forma de acelerar isto é fazendo investimentos, abrindo negócios, enfim, multiplicar as vossas fontes de rendimento, o ideal é ter rendimento passivo (aquele que ocorre sem necessidade de trabalhares).

A meu ver, não vale de nada, gastar tudo agora em futilidades, pois isso implica que terei de trabalhar a vida toda para me sustentar.
Quando somos jovens não gostamos de olhar para o futuro, mas tem de ser. É um papo chato, eu sei, mas a mentalidade de ‘viver intensamente hoje e amanhã a gente vê”, é muito bonita, mas é muito arriscada. 

Porque não, viver bem hoje a preparar capital para amanhã viver intensamente? Há aqui uma excepção... que é, se tiveres rendimentos que te permitam viver intensamente hoje, a preparar capital para amanhã continuar a viver intensamente... então estás de parabéns, e continua assim.

E tu, qual é a tua desculpa?


Até ao próximo episódio...

Sem comentários:

Enviar um comentário