terça-feira, 15 de julho de 2014

3 hábitos que sabotam as tuas finanças!

Depois de algumas consultorias comecei a reparar em certos aspectos em comum que muita gente tem, que danificam gravemente as suas finanças. Curiosamente eu também tinha estes hábitos e em momento nenhum via malícia neles, isso se calhar porque nem sabia que os tinha. Sem mais demoras, aqui estão eles:

1 - Não controlar os gastos
Quando falo de não controlar os gastos não é no sentido de ter consciência para o facto de algo ser caro ou barato, se podemos encontrar melhor preço ou não, falo no sentido de não saber ao certo nem de forma aproximada quanto dinheiro gastamos e onde gastamos. No meu caso simplesmente conseguia saber quanto dinheiro gastei quando a conta ficava a zero, ou seja, todo salário, e aqui fazia aquela célebre pergunta “Para onde foi tanto dinheiro?” (e depois pedia um extracto bancário, e mesmo assim, não conseguia perceber para onde foi o dinheiro... é triste eu sei!)
O dinheiro é teu, a vida é tua, tu é que tens de saber e decidir onde vai e quanto vai.
A melhor forma de o fazer é elaborando um Orçamento. Eu sei que tal como eu já tentaste fazer mas chegaste a conclusão de que não resultava. Levei algum tempo, mas finalmente descobri que andava a fazê-lo de forma errada. O orçamento por ser algo único, visto que não temos todos o mesmo salário, nem hábitos de consumo, é algo que só abordo com profundidade nas consultorias, afinal é preciso tempo e acompanhamento. Mas deixo aqui um pequeno desafio, tenta anotar todos os teus gastos por 10 dias, irás descobrir coisas interessantes a teu respeito.

2 - A culpa é sempre dos outros
Os preços subiram, o meu patrão não me sobe o salário, se eu ganhasse mais teria a vida resolvida, os supermercados especulam demasiado os preços, tantas desculpas.
Pois bem, tenho uma sugestão para ti, hoje quando chegares em casa, dirige-te a casa de banho, deves ter lá um espelho. Põe-te em frente a ele, e lá está, o(a) culpado(a) por todos os teus problemas financeiros. Fica tranquilo(a), se achas que estou errado, não tem problema nenhum, é sinal que ainda estás em negação, eu também demorei muito tempo para aceitar esse facto. Vamos pensar assim: Quem movimenta a tua conta bancária? Quem dá a última palavra na hora de tomar decisões acerca do teu dinheiro? Já deves ter percebido onde quero chegar. Há um livro muito interessante (“The Compound Effect” de Darren Hardy) que diz que todos os resultados (bons ou maus) que obtemos na vida, resultam de pequenos hábitos, ou seja, mantendo um hábito no nosso dia a dia, ele vai gerando efeitos e estes crescem de forma exponencial até que um dia sofremos as consequências. Por exemplo, se só por fumar 1 cigarro a pessoa apanhasse cancro do pulmão, óbvio que ninguém fumaria, mas como leva algum tempo para sofrer as consequências, as pessoas não dão tanta importância ao futuro. O mesmo acontece com a tua vida financeira. Todas as más decisões financeiras que vais tomando no dia a dia, com o andar do tempo, eventualmente irão levar-te a falência, da mesma forma que se adoptares hábitos saudáveis para o teu bolso, eventualmente irão levar-te a riqueza. Quanto mais cedo aceitares que tu é que és o problema (e mudares), melhor será para ti, para mim, para todos a tua volta.

3 - Não procurar ajuda
Grande parte das pessoas toma decisões financeiras baseado-se apenas no seu “bom julgamento”.
Com a quantidade de informação que temos disponível hoje em dia, não faz sentido tomar decisões acerca de algo que não dominamos, baseando-nos somente no nosso “bom julgamento”. Confiar no nosso “bom julgamento” é necessário sim, porém, quando o assunto nos ultrapassa, devemos ter a lucidez e humildade para procurar ajuda de quem sabe. Se vamos pedir um empréstimo no banco, não custa nada procurar alguém que perceba de empréstimos e pedir umas dicas. Vamos construir uma casa, não custa nada ir ter com quem já passou por tal e teve sucesso. Atenção, muito cuidado na hora de escolher a quem pedir conselhos, nunca pedir conselhos financeiros a pessoas com problemas financeiros (ou seja, não peçam dicas financeiras ao Mc Roger).

Quando decidi mudar minha vida financeira, procurei em todo lado por alguém que fizesse o trabalho que faço hoje em dia (Consultoria em Finanças Pessoais), porém não tive muita sorte, aqui em Moçambique este tipo de serviços tem muito pouca oferta, o que tem muita piada, porque nos países pobres devia haver muito mais preocupação das pessoas em ter as contas em dia, porque, vamos ser sérios, não temos fundo de desemprego, não temos bolsa de valores para investir (eu sei que temos, porém é como se não tivéssemos), os bancos dão taxas de juro muito baixas para depósitos a prazo, e por mais que fossem altas, a inflação é também alta, o que desvaloriza o dinheiro a cada ano que passa, o único plano que temos para a nossa reforma é o INSS, daí ser urgente olharmos com seriedade para os nossas finanças.
Se não achas que consegues faze-lo sozinho(a), pede ajuda.

1 comentário: